História da televisão no Brasil

  • História da televisão no Brasil

    A história da televisão no Brasil tem início quando foi inaugurada em 18 de setembro de 1950, trazida por Assis Chateaubriand que fundou o primeiro canal de televisão no país, a TV Tupi em São Paulo e em 20 de Janeiro de 1951, entra no ar a TV Tupi Rio de Janeiro. Desde então a televisão cresceu no país e hoje representa um fator importante na cultura popular moderna da sociedade brasileira. Em 1955 é inaugurada a TV Rio, aliando-se à TV Record, inaugurada em 1953, às Emissoras Unidas. Em agosto de 1957 inicia-se as transmissões entre cidades no Brasil, com um link montado entre a TV Rio e a TV Record, ligando as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, com a transmissão do Grande Prêmio Brasil de Turfe, direto do Hipódromo da Gávea no Rio de Janeiro. Em 1959 surge a TV Continental canal 9 no Rio de Janeiro, trazendo a novidade do vídeo-tape para o Brasil; ela seria cassada em 1972. Em 1960 é inaugurada a primeira TV Excelsior em São Paulo, a segunda viria em 1963 no Rio de Janeiro. As duas saíram do ar por decisão do governo em 1970.

    Em 1960 foram inauguradas as duas primeiras emissoras de televisão do Recife: TV Jornal do Commercio e TV Rádio Clube de Pernambuco. Em 26 de abril de 1965, entra no ar a TV Globo canal 4 do Rio de Janeiro, embrião da Rede Globo de Televisão. Em março de 1966 a TV Globo compra a TV Paulista transformando-a em TV Globo São Paulo, primeiro passo para a criação da Rede Globo. Em 13 de maio de 1967, começa a funcionar a TV Bandeirantes canal 13 de São Paulo, primeira emissora da Rede Bandeirantes. Em 1968 foi inaugurada a primeira emissora de TV educativa do Brasil: TV Universitária, da Universidade Federal de Pernambuco. Em 28 de fevereiro de 1969, inauguram-se no Brasil as primeiras torres de rastreamento de satélites pela Embratel, então uma empresa estatal, localizadas no município de Tanguá no Estado do Rio de Janeiro, ligando em linha direta o Brasil entre si e com o restante do mundo. Em 31 de março de 1972, foi inaugurada oficialmente a TV em Cores no Brasil. Em abril de 1977 é cassada a TV Rio.

    Em 16 de julho de 1980, foi fechada pelo governo federal a Rede Tupi, emissoras pioneiras da TV no Brasil, no ar desde a década de 1950. No dia 19 de agosto de 1981, Silvio Santos unifica suas emissoras fundando o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT). Em 5 de junho de 1983, é fundada no Rio de Janeiro, a Rede Manchete composta de canais no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Recife, Fortaleza e com representação em Brasília. Em março de 1985, o Brasil começa a operar com o seu primeiro satélite, o Brasil-Sat. Em 1987 volta a funcionar a TV Rio que mais tarde seria vendida a Igreja Universal. Em 9 de novembro de 1989, a TV Record de São Paulo é vendida para o Bispo Edir Macedo, iniciando então a Rede Record de Televisão. A primeira TV por assinatura no Brasil surgiu em 1990 nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, no sistema "MMDS", a empresa pioneira foi comprada no ano seguinte pela Editora Abril, que transformou-a em TVA. Em 16 de maio de 1999 a Rede Manchete foi vendida a um grupo de empresários paulistas que fundaram a Rede TV!. A TV Digital no Brasil teve início as 20h30min do dia 2 de dezembro de 2007, inicialmente na cidade de São Paulo, utilizando o padrão ISDB-t japonês, rebatizado no Brasil, com o nome fantasia de SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital), embora na verdade o sistema não contenha nenhum componente brasileiro, exceto o middleware Ginga.

    Índice

    Início e crescimento

    Décadas de 1930 e 1940

    Teste Televisivo criado pela RCA em 1939

    Em junho de 1939, uma exibição de televisão foi realizada durante a Feira de Amostras, nela foi apresentada um aparelho da empresa alemã Telefunken.[1]

    Em 1941, a NBC, pertencente à RCA nos Estados Unidos, inaugura a televisão no mundo, na cidade de Nova Iorque, com transmissão em sistema de aluguel de aparelhos e de sinal, transmitindo do alto do edifício Empire State pelo canal 1, o mesmo canal que mais tarde seria utilizado pelas emissoras europeias, onde as concessões eram restritas aos governos. Em 1946, em um acordo entre o governo americano e a RCA, o sinal da NBC é transferido para o canal 4 e instala-se o sistema de transmissão americano, inicialmente operando em 12 canais de VHF (de 2 a 13). Esse sistema é aprovado para as transmissões no Brasil, através de influência de Assis Chateaubriand, que estava interessado em ser o primeiro a inaugurar a TV no Brasil.

    Em 1946, são distribuídas, pelo governo de Eurico Gaspar Dutra, as primeiras concessões e é lançada a pedra fundamental para a construção do primeiro transmissor de televisão no Brasil, para a TV Tupi Rio de Janeiro, em uma torre construída no Morro do Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro. Em final de 1949, uma equipe de técnicos vem ao Brasil para conhecer a primeira torre e constata que, pela topografia da cidade do Rio, o Morro do Pão de Açúcar não é o local ideal para a instalação dos transmissores.

    Como Assis Chateaubriand tem interesse em inaugurar a primeira emissora de televisão na América Latina e já sabendo que os Estados Unidos estão patrocinando a inauguração de um canal em Cuba para o Natal de 1950, ele decide transferir a inauguração do primeiro canal para São Paulo, onde detém a concessão do canal 3, dado à Rádio Difusora de São Paulo. Encomenda nos Estados Unidos a aparelhagem necessária para a montagem da emissora já pronta, bastando para o funcionamento a instalação. Em julho de 1950, a encomenda chega de navio ao Porto de Santos e é acompanhada até a capital por artistas das Emissoras Associadas em São Paulo, numa carreata histórica.

    Década de 1950

    Em 18 de setembro de 1950, a televisão finalmente é inaugurada no Brasil, em São Paulo, em uma cerimônia considerada hoje simplória para a ocasião em questão. Assis Chateaubriand instala vários aparelhos pela cidade para que o povo conheça o que é televisão, pois muitos ainda nem sabiam do que se tratava. Naquele mesmo dia, é exibido um show que é considerado o primeiro programa da televisão no Brasil, TV na Taba, numa alusão aos primeiros moradores de nosso país.

    O show contava com vários artistas famosos tais como: Hebe Camargo, Inezita Barroso, Wilma Bentivegna, Lolita Rodrigues que cantou o "Hino da Televisão Brasileira" composto por Guilherme de Almeida, no lugar de Hebe Camargo, que não compareceu, Aírton Rodrigues e Lima Duarte. Apesar de o programa ter sido bem sucedido, todos deram-se conta de que a emissora voltaria ao ar no dia seguinte e não havia uma programação formada. A emissora de São Paulo funcionava em uma parte dos estúdios das rádios Tupi e Difusora no bairro do Sumaré e denomina-se PRF 3, prefixo que usaria durante alguns anos, devido à coincidência com o canal em que operava.

    Em 20 de janeiro de 1951, feriado no Rio de Janeiro em comemoração ao santo padroeiro da cidade, entra finalmente no ar a TV Tupi Rio de Janeiro, canal 6, com duas antenas instaladas em pontos estratégicos para expandir o sinal dos transmissores na Urca. A cerimônia de estreia da emissora contou com a bênção dada por Frei José Francisco de Guadalupe Mojica (Frei José Mojica), ator "hollywoodiano" que abandonou o cinema para seguir a carreira religiosa. Os estúdios da emissora ficavam na Avenida Venezuela, no centro do Rio de Janeiro, onde antes funcionaram os estúdios da Rádio Tamoio, e o auditório e a central técnica da emissora funcionavam nas antigas dependências do Cassino da Urca, na Avenida João Luiz Alves, no bairro da Urca, zona sul do Rio.

    Em 1951, a televisão não contava ainda com propagandas comerciais. Assim o intervalo entre um programa e outro era preenchido com números musicais filmados, para dar tempo de se modificar o cenário para a atração seguinte. Como no Brasil as concessões de televisão eram entregues às emissoras de rádio, a televisão era encarada como "um rádio com imagens", assim vários artistas de rádio, principalmente, participaram desses filmes. O primeiro desses filmes foi com a cantora de rumba Rayito Del Sol, famosa na época pela ousadia de suas apresentações, e o gongeiro dela chamado Dom Pedrito. O segundo foi com a participação de Hebe Camargo e Ivon Cury cantando a música "Pé de Manacá" em um cenário rustico. Outros artistas também participaram desses filmes como Emilinha Borba, Luiz Gonzaga, Adelaide Chiozzo, Lana Bittencourt e muitos outros.

    Logotipo da companhia americana patrocinadora do programa

    Em 1952, a televisão importou do rádio o noticiário Repórter Esso, que no Rio de Janeiro era apresentado por Gontijo Teodoro e em São Paulo por Randal Juliano. Também em 1952, entrava no ar a terceira emissora de televisão no Brasil e a segunda em São Paulo: a TV Paulista canal 5. A concessão da emissora pertencia ao deputado Oswaldo Ortiz Monteiro e era uma emissora de recursos muito parcos. Seus estúdios ficavam em um apartamento da Rua da Consolação e eram tão pequenos que os atores, ao entrar em cena, tinham que trajar todo o figurino das peças que representavam, pois não havia espaço para camarins, dessa forma eles começavam as peças "gordos" e terminavam "magros".

    Ainda em 1952, o Governo Federal compra no Rio de Janeiro a Rádio Rio, com o objetivo de transformá-la em uma emissora dedicada aos trabalhadores, trocando seu nome para Rádio Mauá. A Rádio Rio, porém, detém, por ser uma das mais antigas emissoras de rádio do país, uma concessão para um canal de televisão, o canal 13 do Rio de Janeiro. O Governo Federal não tem interesse na montagem de um canal de televisão e decide vender a concessão.O empresário Paulo Machado de Carvalho, dono, dentre outras emissoras, da Rádio Record, que recebeu a concessão do canal 7 em São Paulo, resolve comprar a concessão em associação com seu cunhado, o também empresário João Batista do Amaral ou "Pipa" do Amaral, como era conhecido.

    Em 1953, Victor Costa que fora, na década de 1940, diretor da Rádio Nacional do Rio de Janeiro mudou-se para São Paulo e comprou a Rádio Nacional de São Paulo[nota 1], fundando assim as Organizações Victor Costa. Naquele mesmo ano, Paulo Machado de Carvalho, com objetivo de obter dinheiro para custear as despesas de montagem do canal 7, vende, para as Organizações Victor Costa, a Rádio Excelsior.

    Paulo Machado de Carvalho também decide, ainda em 1953, desfazer-se de sua parte na associação no Rio de Janeiro e a vende para "Pipa" do Amaral, que se torna único dono da emissora carioca, mas eles decidem enfrentar a concorrência aliando as suas emissoras às Emissoras Unidas, associação de rádio pertencente a Paulo Machado de Carvalho que reúne, além da Rádio Record, a Rádio Panamericana e a Rádio São Paulo. Assim, a TV Record canal 7 entra no ar em 27 de setembro de 1953, com estúdios localizados na Avenida Miruna, no bairro do Aeroporto, em São Paulo. A TV Record passa a fazer parte das Emissoras Unidas, concorrente das Emissoras Associadas, da qual fazia parte a TV Tupi Rio e a PRF 3 de São Paulo.

    Em 1953 estreia o programa Alô, Doçura!, original de Cassiano Gabus Mendes, com Eva Wilma e John Herbert. O programa era apresentado em São Paulo pelo canal 3 e no Rio pela TV Tupi Rio canal 6. Como naquela época não havia vídeo tape, nem transmissão direta entre cidades, os artistas tinham que viajar de São Paulo para o Rio de Janeiro para representar o programa na mesma semana. Em 1958, o Açúcar União, que era o patrocinador do programa, abandona a chancela no RJ, exigindo que seja mudado seu nome na cidade maravilhosa, já que o registro do mesmo lhe pertencia. Então, no Rio de Janeiro o Alô, Doçura! passa a chamar-se Alô, Querida!. O programa durou até 1962 no Rio de Janeiro e até 1964 em São Paulo.

    Em 1954, Victor Costa, proprietário das Organizações que levam o seu nome, decide comprar no Rio de Janeiro a Rádio Mundial, pertencente ao Diário da Noite do Rio, antiga Rádio Clube do Brasil que por ser a segunda emissora de rádio mais antiga do país, detém a concessão do canal 11 na cidade. Victor já detinha, com a compra da Rádio Excelsior a concessão do canal 9 em São Paulo, deixando claro o seu desejo de iniciar uma rede de emissoras de televisão.

    Ainda em 1954, são transmitidas as primeiras partidas de futebol pela televisão no Brasil, pela TV Record, com narração de Geraldo José de Almeida. Também a morte do presidente Getúlio Vargas, que emociona a nação, só foi noticiada pela TV às 13 horas, hora em que a TV Tupi Rio de Janeiro entrava no ar. Ainda em 1954, a PRF 3 de São Paulo estreia sua produção infantil, o Sítio do Picapau Amarelo, baseado em obra de Monteiro Lobato, exibido uma vez por semana, e representado também na emissora dos Associados no Rio de Janeiro.

    Em 15 de julho de 1955, entra no ar a TV Rio canal 13 do Rio de Janeiro, aliando-se à TV Record nas Emissoras Unidas. A emissora funciona no prédio pertencente ao Cassino Atlântico na Avenida Atlântica, Posto 6, em Copacabana. As duas emissoras decidem construir um link entre as duas cidades, exatamente como existe nos Estados Unidos, ligando "cidade por cidade" até completar o percurso. A TV Rio construiria o link até Guaratinguetá, metade da distância, e a TV Record terminaria-o até São Paulo.

    Também naquele ano, Victor Costa, adquire a TV Paulista canal 5, preferindo comprar para a sua Organização uma emissora pronta a ter que montar uma nova com a concessão dada à Rádio Excelsior. Os estúdios da TV Paulista são transferidos para o prédio onde funcionavam a Rádio Nacional de São Paulo e a Rádio Excelsior, na Rua das Palmeiras no bairro de Santa Cecília. Logo em seguida, Victor Costa põe a venda a concessão do canal 9 paulista.

    Em 8 de setembro de 1955, entra no ar a TV Itacolomi canal 4 de Belo Horizonte, de propriedade das Emissoras Associadas.

    Em 1956, entra no ar o Teatrinho Trol, programa infantil produzido pela TV Tupi Rio de Janeiro, especializada em peças infantis, aos domingos, às 14 horas. Também em 1956 a PRF 3 de São Paulo passa a denominar-se TV Tupi-Difusora.

    Logotipo da TV Paulista

    Ainda em 1956, Victor Costa, agora proprietário da TV Paulista, pede a Manuel da Nóbrega, que já trabalhava na Rádio Nacional de São Paulo, como diretor da emissora, que crie um programa humorístico para competir com as concorrentes, usando o elenco que existe na Rádio Nacional, devido aos poucos recursos financeiros. Nóbrega acaba tendo uma inspiração quando, numa viagem a Buenos Aires, hospedado em um hotel defronte a uma praça, observa um senhor aposentado, sentado no banco, lendo jornal e repara que todos que passam, param para conversar alguns instantes com esse senhor e em seguida vão embora. Nóbrega decide criar a Praça da Alegria, pois o programa sairia barato para a TV Paulista. Ele não precisa de cenários, basta um banco de praça e um fundo reproduzindo uma, e os comediantes da Rádio Nacional se adaptariam com facilidade pois, ficariam sentados representando seus sketchs. O programa acaba por se tornar um sucesso e revelar vários artistas para a televisão como: Ronald Golias, Rony Rios, Zilda Cardoso, Simplício, Viana Júnior e outros.

    Nesse mesmo ano, a TV Rio começa a impor no Rio de Janeiro uma posição de liderança diante da sua concorrente, a TV Tupi Rio-canal 6. O povo carioca começa a ter o hábito de assistir televisão com a emissora, que lança programas de peso, como o "TV Rio Ringue", programa de lutas de boxe transmitido aos domingos e o "Teatro Moinho de Ouro", com peças de teatro adaptadas para a televisão apresentando artistas famosos, patrocinadas pelo Café Moinho de Ouro. Faziam parte do elenco da TV Rio na época, muitos artistas de teatro e do rádio, principalmente das rádios Mauá e Mayrink Veiga, como Anilza Leoni, Oswaldo Sargentelli, Murilo Mello Filho, Murilo Neri, Luiz Mendes, Moacyr Arêas, Mario Lago, Camilla Amado, César Filho, Renata Fronzi, Carmem Verônica, Consuelo Leandro, Thereza Amayo, Daniel Filho, Jair de Taumaturgo, Carlos Imperial, Flávio Cavalcanti, Odete Lara, Iracema de Alencar e muitos outros.

    Também em 1956, o canal 2 do Rio de Janeiro é concedido à Rádio Mayrink Veiga, que tem entre seus sócios, Leonel Brizola, cunhado do então vice-presidente da república João Goulart[nota 2], que também viria a outorgar a concessão do canal 4 do Rio de Janeiro à Rádio Globo, de propriedade do jornalista Roberto Marinho, em julho de 1957.

    Em agosto de 1957, é concluído o link entre Rio de Janeiro e São Paulo pelas Emissoras Unidas. A primeira transmissão entre as duas cidades é o Grande Prêmio Brasil de Turfe, transmitido diretamente do Hipódromo da Gávea no Rio de Janeiro, em agosto. Também naquele ano são iniciadas as transmissões para subestações, a de Santos em São Paulo, pertencente a TV Record e a de Guaratinguetá, também em São Paulo, pertencente a TV Rio. Em 12 de outubro, a TV Rio e a TV Record transmitem, direto da Basílica de Nossa Senhora Aparecida, a missa em homenagem à padroeira do Brasil.

    No final de 1957, a TV Tupi Rio transfere também seus estúdios para o antigo prédio do Cassino da Urca, na zona sul do Rio, onde existe mais espaço para suas atrações.

    Em 1958, a concessão do canal 9 de São Paulo, pertencente às Organizações Victor Costa, é vendida para Wallace Simonsen, ex-dono da extinta Panair do Brasil, que agora pretendia investir em televisão. Simonsen compra a concessão por 80 milhões de cruzeiros, valor considerado alto para a época. Ainda em 1958, é lançado pelas Emissoras Unidas o primeiro programa regular produzido pelas TVs Record e Rio, chamado Show 713[nota 3]. O programa era diário e exibido ao meio-dia. Com duas horas de duração, apresentava entrevistas, reportagens e números musicais das duas cidades. A tela era dividida ao meio, ficando cada cidade com uma metade para suas atrações. Até chegou a ter cantores em uma cidade, enquanto a orquestra acompanhava na outra. Também em 1958, estreia na TV Tupi o TV de Vanguarda e o Grande Teatro Tupi, exibindo peças teatrais representadas em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte na mesma semana, contando no seu elenco com artistas famosos do teatro. A TV Rio e a TV Record inauguram várias retransmissoras para as Emissoras Unidas, transmitindo programações do Rio de Janeiro e de São Paulo.

    Em 30 de junho de 1959, é inaugurada no Rio de Janeiro a TV Continental canal 9, de propriedade da Rádio Continental, pertencente ao empresário Rubens Berardo, com estúdios localizados na Rua das Laranjeiras, no bairro do mesmo nome. A novidade da emissora era o lançamento do vídeo tape, já na sua inauguração, quando Luiz Carlos Miele apresentou às 21 horas o programa inaugural direto da piscina do Copacabana Palace, gravado às 15 horas com a presença de Sol forte. Também em 1959, as Emissoras Associadas estreiam novos programas com o objetivo de combater o Show 713 das Emissoras Unidas. No Rio de Janeiro o programa Câmera Um, sob o comando de Jacy Campos, e em São Paulo o Edição Extra, ambos ao meio dia.

    Televisor dos anos 1950.

    A TV Rio e a TV Record continuam trocando programas entre si, tais como: Noites Cariocas e Noite de Gala, da TV Rio, e A Turma dos Sete e Gessy às Dez, da TV Record. Também surgem alguns programas infantis que conseguiram enorme sucesso nos anos 1950. Além dos já citados Sítio do Pica Pau Amarelo da TV Tupi São Paulo e do Teatrinho Trol da TV Tupi Rio de Janeiro, na mesma Tupi do Rio estreava em 1955 o programa Gladys e Seus Bichinhos, conseguindo grande sucesso entre as crianças com personagens desenhados na hora por ela durante o programa, como: A Formiguinha Gida (a única formiga no mundo que usava "rabo de cavalo"), a Gatinha Clarinha, a Peixinha Marci, a Abelhinha Domi, a Cachorrinha Lelete e o mais famoso o Sapo Godô. O programa ficou tão famoso, que Gladys, a partir de 1957, o apresentava no Rio às segundas, as terças em São Paulo e as quartas em Belo Horizonte. Também pela TV Tupi do Rio, Neyde Aparecida apresentaria com sucesso ao lado de Paulo Max, "A Estrela é o Limite". O programa era uma competição entre colégios cariocas sobre vários assuntos de conhecimentos gerais, patrocinado pelos Brinquedos Estrela. Na mesma emissora, também faria sucesso o Palhaço Carequinha, ao lado de seus companheiros, Fred, Zumbi e o anão Meio-Quilo, com "O Grande Circo Bom-Bril". Também na Tupi do Rio, Norma Blum apresentava com sucesso, "O Mundo é das Crianças". Na TV Continental, Mariangela Balducci apresentava a "Hora da Criança", programa que obteve tanto sucesso chegando a perpetuar o jingle do patrocinador, os Biscoitos São Luiz [nota 4]. Em São Paulo, o palhaço Arrelia, também consegue sucesso com o "Circo do Arrelia", apresentado aos domingos à tarde, ao lado de seu ajudante Pato Preto e a participação de Walter Stuart. As comedinhas do Circo do Arrelia fizeram tanto sucesso, que o programa passou também a ser apresentado na TV Rio, às segundas a noite. Na TV Rio, também teve sucesso, o "Clubinho do Tio Hélio", diariamente no horário da tarde e "Os Amigos do Zorro", exibido aos domingos pela manhã.

    Ainda em 1959, no dia 20 de dezembro, é inaugurada a TV Piratini de Porto Alegre, a primeira emissora de televisão do sul do país, pertencente às Emissoras Associadas.

    Em 22 de dezembro de 1959 morre o empresário Victor Costa, proprietário das Organizações Victor Costa, assumindo a direção do grupo, sua esposa e seu enteado. As primeiras decisões dos dois, ainda em 1959 foram: arrendar a Rádio Mundial do Rio de Janeiro para o líder da LBV, Alziro Zarur, com o objetivo de fazer caixa para a OVC; vendem a Rádio Cultura de São Paulo para as Emissoras Associadas e, por último, devolvem ao governo a concessão do canal 11 que a Rádio Mundial detinha no Rio de Janeiro.

    As Emissoras Associadas decidem entregar para a Rádio Cultura de São Paulo a concessão do canal 2 de São Paulo, recebido em 1958, a fim de que seja montada a primeira emissora de televisão com objetivos culturais no Brasil. Com isso, a TV Tupi-Difusora passaria a transmitir pelo canal 4.

    Na década de 1950, os horários vespertinos das emissoras de televisão eram preenchidos com programas femininos, principalmente. O primeiro programa feminino da televisão foi "O Mundo é das Mulheres", com Hebe Camargo, na TV Record em 1955. Em 1957 estrearam o "Revista Feminina" com Maria Thereza Gregori e Ofélia Anunciato, na TV Tupi-Difusora de São Paulo, o "Consultório Sentimental" com Helena Sangirargi na TV Rio e o "Chá das Cinco" com Aziza Perlingeiro na TV Tupi do Rio. Também em 1957, o "Clube do Lar" estreia na TV Paulista, com Jane Batista. Em 1958, a TV Rio estreia o Rio, Cinco pras Cinco, primeiro com Ilka Soares, substituída em 1960 por Lídia Mattos. Em 1959, na TV Continental, apresentado por Edna Savaget, estreia o "Boa Tarde". Em 1960, o "Revista Feminina" transfere-se para a TV Paulista e mais tarde, em 1967, para a TV Bandeirantes, onde ficou até 1979, sendo até aquela época, o programa feminino com maior duração no ar.

    Década de 1960

    Em 21 de abril de 1960, é inaugurada a nova capital Brasília e lá estreiam novas emissoras de televisão, a TV Brasília canal 6 das Emissoras Associadas e a TV Alvorada canal 8, pertencente à TV Rio; no dia da inauguração da cidade. Em 6 de junho entra no ar a TV Nacional canal 3, também de Brasília.

    Em maio de 1960, um violento incêndio destrói os estúdios da TV Record em São Paulo, fazendo com isso que a emissora comece a se utilizar mais do link com a TV Rio para satisfazer sua programação, dessa forma o número de programas transmitidos do Rio de Janeiro para São Paulo, quer por ligação direta ou videotape, aumenta consideravelmente nas Emissoras Unidas.

    Ainda no ano de 1960, a programação da TV Continental no Rio de Janeiro ganha reforços, contratando artistas, principalmente da TV Paulista, que, com a morte de seu proprietário no final de 1959, está atravessando "horas difíceis". Transferem-se para o Rio de Janeiro o elenco da Praça da Alegria com Manuel da Nóbrega e Ronald Golias, trazendo o programa para a TV Continental, e o casal de atores Nicete Bruno e Paulo Goulart, que estrelaram o programa Dona Jandira Em Busca da Felicidade, também na Continental.

    A TV Continental também apresenta um excelente teleteatro, o Teatro das Quartas Feiras, dirigido por José Miziara, onde vários artistas se destacam, como: Jô Soares, Yoná Magalhães, Monah Delacy, Heloísa Helena, Wálter Forster, Ítalo Rossi e muitos outros.

    Em junho de 1960, entram no ar no Recife, com intervalo de apenas duas semanas entre uma inauguração e outra, a TV Rádio Clube de Pernambuco, operando no canal 6, e a TV Jornal do Commercio, no canal 2[nota 5].

    Em agosto de 1960, a TV Tupi-Difusora passa a operar em São Paulo pelo canal 4 e assume, definitivamente, o nome de TV Tupi São Paulo.